JABOATÃO REALIZA A 1ª JORNADA DE EDUCADORES PELA PAZ

A prefeitura do Jaboatão dos Guararapes, através da Secretaria Municipal de Educação, realizou nesta quarta-feira (22), na Uninassau Piedade, a 1ª Jornada de Educadores pela Paz.

A Coordenação de Gestão Democrática nas Escolas e Direitos Humanos (CGDEDH), vinculada à Gerência de Gestão Educacional da Secretaria Municipal de Educação, busca fortalecer as ações de cultura de paz e o combate à violência nas escolas. Pensando nisso, durante todo o mês de fevereiro de 2019 realizou-se uma pesquisa com os gestores das 145 Unidades de Ensino da rede municipal acerca da temática “Intervenções no Enfrentamento à Violência Escolar”, possibilitando a identificação das formas de intolerâncias mais frequentes no espaço escolar, que serviram como base para a escolha dos temas abordados nas palestras do encontro.

Os gestores das escolas do Jaboatão, durante todo o dia, se revesaram em diferentes salas de palestras e oficinas com as seguintes temáticas: Intolerância Racial e Pluralidade Religiosa, Bullying e Cyberbullying no Contexto Escolar, e Questões de Gênero e a Violência no Espaço Escolar. Na oportunidade, puderam compartilhar as experiências em suas unidades e ampliar o conhecimento sobre os assuntos abordados.

Pedro Portela, membro da Coordenação de Gestão Democrática nas Escolas e Direitos Humanos, falou sobre a importância da Jornada de Educadores Pela Paz, no combate à violência escolar: “A importância do evento dá-se pela sua necessidade, como resposta às intolerâncias identificadas na pesquisa realizada no mês de fevereiro de 2019. Desta forma, fortalecemos e ampliamos o diálogo sobre Cultura de Paz no Espaço Escolar, favorecendo para que ocorra o enfrentamento à violência e a sua naturalização. Nenhuma forma de violência deve ser aceita”, explicou.

Para Heloisa Luna, gestora da Escola Municipal Paulo Menelau, “a violência em suas maiores e diversas formas estão em contato conosco diariamente e por diversas vezes nos perguntamos: como podemos proceder em determinadas situações? Enquanto escola sabemos que a discriminação se configura em muitas situações, o negro e os LGBTS são as formas mais explícitas que enfrentamos no momento. Porém, cabe à escola combater essas formas de violência e promover o respeito às diferenças. Nós precisamos de uma escola de paz e a paz se constrói com conhecimento, respeito ao próximo e entendimento das situações”, comentou.

X